Parâmetros temporoespaciais e desvios da marcha em usuários de dispositivos de auxílio: um estudo quasi-experimental

  • Viviane Santos Borges Universidade de Itaúna http://orcid.org/0000-0002-9308-1502
  • Dayanne Gabriela de Melo Marques
  • Larissa Nunes Universidade de Itaúna
  • Letícia Gabriela Faria Universidade de Itaúna
  • Maria Caroline Fonseca Silva Universidade de Itaúna
  • Renatha Carvalho Laboratório de Marcha no Centro Mineiro de Tecnologia Assistiva
  • Andréa de Jesus Lopes Laboratório de Marcha no Centro Mineiro de Tecnologia Assistiva

Resumo

Introdução: Limitações funcionais e alterações na marcha podem ser minimizadas com o uso de dispositivos de auxílio. Sua correta prescrição, respeitando a individualidade do usuário é fundamental para um bom desempenho físico. Objetivo: Avaliar os parâmetros têmporoespaciais da marcha na velocidade habitual e rápida em dois momentos: um, com dispositivo de auxílio apresentando as medidas habituais, e no segundo momento com o dispositivo adaptado com relação a altura e angulação do voluntário. Métodos: Trata-se de um estudo quasi-experimental. Foi aplicado um questionário contendo informações gerais e específicas sobre o dispositivo de auxílio à marcha (DAM) e seu uso. Foi realizada a avaliação dos parâmetros têmporoespaciais da marcha, na velocidade habitual e rápida. Resultados: um total de 36 indivíduos (média 59 anos; 64% homens) com diagnósticos distintos completaram os testes propostos; 31% dos usuários de DAM apresentaram a altura incorreta do dispositivo. Foi observada uma diferença significativa entre as medidas do trocânter maior e a prega do punho ao solo (p<0,001); 61% não recebeu instrução ou treinamento para utilizar o DAM; 55% dos usuários de bengala utilizava o dispositivo no lado contralateral a lesão. Nenhuma diferença significativa nos parâmetros têmporoespaciais da marcha foram identificados, nem mesmo diferenças na simetria do quadril. Conclusão: os resultados apresentados, fornecem informações relevantes para profissionais e usuários sobre a utilização do DAM e sua correta prescrição. De acordo com a avaliação têmporoespacial da marcha apenas corrigir a altura do DAM como preconizado pela literatura, não foi o suficiente para uma melhora significativa dos seus parâmetros.


Warning: Smarty error: unable to read resource: "file:0/plugins/generic/usageStats/templates/outputFrontend.tpl" in /var/www/html/php5-instance/ojs/lib/pkp/lib/vendor/smarty/smarty/libs/Smarty.class.php on line 1094

Biografia do Autor

Viviane Santos Borges, Universidade de Itaúna

Docente dos cursos de Fisioterapia (Graduação) e Odontologia (Núcleo de Pós-graduação) da Universidade de Itaúna

Dayanne Gabriela de Melo Marques

Fisioterapeuta

Larissa Nunes, Universidade de Itaúna

Fisioterapeuta

Letícia Gabriela Faria, Universidade de Itaúna

Fisioterapeuta

Maria Caroline Fonseca Silva, Universidade de Itaúna

Fisioterapeuta

Renatha Carvalho, Laboratório de Marcha no Centro Mineiro de Tecnologia Assistiva

Fisioterapeuta, Mestre em Ciências da Reabilitação 

Andréa de Jesus Lopes, Laboratório de Marcha no Centro Mineiro de Tecnologia Assistiva

Fisioterapeuta. Mestre em Ciências da Reabilitação. Coordenadora do Laboratório de Marcha no Centro Mineiro de Tecnologia Assistiva - Pará de Minas., Pará de Minas, MG, Brasil.

Publicado
2019-12-13
Seção
Artigos Originais